Menu

» Bitcoin: A moeda anticapitalista com Lastro

O que é Bitcoin, por que tem valor e de onde vem este valor.

Bitcoin: A moeda anticapitalista com Lastro - Revista Essence
Bitcoin: A moeda anticapitalista com Lastro - Blog Revista Essence Bitcoin: A moeda anticapitalista com Lastro - Blog Revista Essence Bitcoin: A moeda anticapitalista com Lastro - Blog Revista Essence Bitcoin: A moeda anticapitalista com Lastro - Blog Revista Essence Bitcoin: A moeda anticapitalista com Lastro - Blog Revista Essence

Olá Leitor! Na Coluna dessa sexta vamos entender o que é Bitcoin, por que tem valor e de onde vem este valor.

Antes de mais nada é necessario lembrar sobre a nossa historia e como chegamos aqui, no que se refere à moeda/capitalismo(moderno).

O que sabemos é que antes do conceito moeda, e digo conceito pois a moeda não é apenas algo físico como falsamente somos levados a acreditar, ela é sim uma ideia de valor; se entendemos que desde sempre a humanidade é capitalista, pode-se definir dois períodos capitalistas na história. O primeiro período se passa antes da invenção da moeda, e o segundo após a invenção do lastro comercial;

Estes dois períodos são importantes na historia da humanidade, e hoje se repetem com as novas moedas digitais, e será isto que veremos no decorrer dessa leitura.



O primeiro momento capitalista da Humanidade é conhecido pelas feiras onde a troca de mercadoria(escambo) era o meio de comercio natural, é claro que já nesta época havia um entendimento sobre lucro, ou seja, as trocas eram feitas, mas, se sabia, terem diferenças entre produtos no que viria ser chamado “valor” nos conceitos modernos, onde existia uma diferença entre galinha para uma vaca, ou de uma vaca para uma verdura.

Neste período, mesmo que sem uma moeda, entendíamos que alguns produtos eram mais fáceis de serem vendidos e teriam assim mais valor, porém não somente por isto tinham mais valor entre as trocas, o sal é um exemplo que perdura sua fama deste período até hoje, dando por meio dele gerações depois o nome de salario a quantidade mensal, ou de troca feita através deste.

A “facilidade” que se tem na extração de sal e a sua importância alimentar na conservação do gosto dos alimentos, fazem dele um produto de grande valor entre as trocas, além de ter um simbolismo místico para os romanos.

O problema desde sistemas é que duas vacas podem terem valores diferentes entre elas, ainda que elas tenham produções iguais de leite por exemplo. Já que neste sistema, a troca se dá não pelo valor de uma vaca mas pela necessidade individual, assim, caso o dono de uma das vacas queria iniciar uma granja ele terá de trocar essa vaca por pelo menos uma galinha e um galo, se formos pensar nos dias de hoje isto não faria sentido já que a vaca tem propriedades que fazem dela mais lucrativa, porem do outro lado tem o dono da segunda vaca, que por motivos desconhecidos também quer ser dono de uma granja, porem ele saber que a troca é injusta, e que além do casal de aves ele também terá de adquirir um terreno para dar inicio a produção de ovos e frangos. Acontece que, o dono das aves só vende aves e não tem um terreno para trocar.



Neste momento temos um problema onde o sistema de trocas não funciona, pois ele tem um produto e dois vendedores distintos, uma lhe dará as aves e outro o terreno.

Os Sumérios são os primeiros à darem um tipo de solução a este tipo de problema, criando o dinheiro, onde unidades de medidas em ouro ou prata delimitavam o valor de um produto; porem estas unidades ficavam nos templos não saiam com os trocadores.

As moedas são inventadas na China, e tinham formas variadas: peixe, chave ou faca, machado, concha e a mais famosa o Bu, que tinha a forma de uma enxada.

As formas das moedas vinham das mercadorias e objetos que possuíam valor de troca, nelas encontravam-se gravados o nome da autoridade emitente e o seu valor. Na China também aparecem o papel moeda e moedas com um formato mais próximo do que vemos hoje.

Onde hoje ficam Nigéria, Gana Benin e Togo moedas argolas também foram utilizadas, estas moedas eram também um símbolo de riqueza, já que eram também utilizadas como ornamentos;

Com o passar dos séculos outros povos também adquiram o conceito de moeda cada uma a sua maneira e crença. Essa ultima palavra sendo a mais importante e carregada ate hoje, pois o dinheiro/moeda desde sua criação é baseado na crença de que aquele objeto valha X ou Y quando for trocado. Isto faz com que comércios internos sejam fáceis uma vez que aquela nação acredita nos mesmos conceitos, conceitos estes que são refletidos em uma mesma moeda, mas e quando este comercio passa a ser entre nações distintas qual moeda vale mais, e por que?



Com o aperfeiçoamento do comercio a unificação de povos feitas pelos impérios ocidentais, isto diminui os problemas. Mas ainda tínhamos problemas sobre o valor da moeda. Felizmente existia algo que era valioso e comum em todos os povos, ora como item de valor econômico, ora item de poder religioso e ora como item de valor comercial; o ouro.

A partir do século XIX o padrão-ouro passa a vigorar em toda Europa e suas colônias. Este padrão dizia inicialmente que um pais deve ter seu comercio avaliado com base no seu volume de ouro.

Este é o único momento da historia da moeda que a fé na moeda não se dá apenas por uma crença coletiva, mas também se dá por algo físico, além da própria moeda, o que inicialmente faz com que se tenha um ótimo meio de lastro. O padrão ouro é também o que define inflação e deflação.

O que os secularistas de XIX não poderiam imaginar é que um pais poderia ter tanto poder econômico e social ao ponto de ter em um momento mais moedas do que o seu valor em ouro em seus cofres, além de não terem na época o valor agregador, como o valor de uma marca.

Isto ocorre no fim da Primeira Guerra Mundial e se consolida na Segunda. Onde o EUA ao sair vitorioso e sem nenhum dano estrutural propõem um novo lastro mundial, o padrão dólar-ouro onde o EUA se compromete em fixar o valor do ouro próximo de $35 Dólares por Onça Troy (31,104 gramas) e os países por meio da taxa de cambio iniciam as comercializações atreladas ao dólar. O sistema é conhecido assim pois o EUA comprava ouro dos outros países e emitia dólar em sua equivalência como meio de pagamento. Porem anos depois alguns países já restruturados da Segunda Guerra, iniciam um estoque de ouro próprio, alguns simplesmente faziam pois já não necessitavam tanto de dólar em seu comercio interno, ou seja a moeda do pais já tinha em si seu valor restabelecido, outros por perceberem que existiam novos negócios que não tinham como ser lastreados, negócios como marcas e alguns tipos de serviços, hoje você sabe que uma marca tem mais valor que outra ainda que as duas vendam a mesma mercadoria, ou de mesmo ramo, ou seja o paradoxo das vacas agora tinha de um lado a Pepsi e do outro a Coca-Cola, com produtos do mesmo ramo, mais que tem em suas marcas valores de consumo diferentes. Então este novo movimento de consumo e de comercio faz com que o padrão dólar-ouro já não seja mais tão importante para outras superpotências modernas, incluindo o Japão que sai da guerra arrasado e já neste período está entre as grandes nações.

Com a desvalorização do dólar, e devido a guerra no Vietnam onde foi emitido muitas unidades de dólar, com a expectativa de uma possível venda de ouro por outros países, criando assim uma deflação generalizada na moeda, acompanhada da não venda esperada de ouro, no outubro de 1976 o padrão dolar-ouro é abandonado, tornando o dólar a partir daí uma moeda fiduciária, que não é lastreado a nenhum metal (ouro, prata, etc.) e não tem nenhum valor intrínseco. Seu valor advém da confiança que as pessoas têm em quem emitiu o título, em suma uma moeda é em si tem valor quanto credito; valor pois com ela se compra e credito, pois, a mesma lastreia-se em si própria.

Depois dessa introdução a economia seu primeiro período na faculdade de finanças estará garantido. Mais finalmente chegamos a parte do que são Bitcoin e como ela são criadas.



O Bitcoin é baseado em dois tipos de “Criação” por meio de conversão de uma moeda governamental e por meio de mineração de dados.

Essa moeda não é controlada por um banco Central, e é produzida de forma mista por milhares de computadores, mantidos por pessoas que em troca de deixarem suas maquinas criarem e registrarem transações feitas com a moeda, recebem uma pequena parte, digo, uma mínima parte em Bitcoin.

Essa criação porem não é dada de forma aleatória e nem é de perto fácil, pois a moeda deve crescer em uma faixa limitada de 21 milhões de unidades até o ano de 2140. Por conta disto 1 Bitcoin é tão caro, pois já se sabe quanto dele teoricamente se deve ter ate um determinado ano, além disto, se você está pensando em iniciar a mineração hoje, saiba que o investimento não é o mesmo que de anos atrás, não só por que a moeda está mais cara, mais por que, atualmente se tem servidores especializados na mineração desses dados.

Apesar de parecer ser o Bitcoin algo novo, ele é mais um tipo de moeda, nada além disto, o que acontece é que, com o novo padrão de moedas fiduciária depende apenas da crença dos seu utilizadores, o Bitcoin acaba sendo um de uma serie dessas novas moedas, além das que estão por vir e de outras que já existem.

E digo isto não olhando para o futuro, mais vendo o passado;

Se pensarmos em cartões de credito por exemplo, em sua maioria os cartões de créditos no brasil são de bandeiras internacionais, que seguem, portanto, o sistema de uma moeda fiduciária (o dólar), que em teoria é lastreada em si mesma. Poderíamos então dizer que os cartões de créditos são inconfiáveis, já que sua moeda depende da crença?



Se este artigo tivesse sido escrito a 10 anos atrás sua resposta poderia ser, “não pois o banco me garante a confiança dos cartões de credito”, porem hoje temos cartões virtuais inúmeros, Paypal, Picpay(paga NoiZZ), Nubanck, este ultimo tem em seu nome na tônica inglesa, uma mensagem, como “Sem Banco” ou “Não Sou banco”, isto para demonstrar que quando o economistas iniciam o terrorismo contra o Bitcoin, e são em sua maioria pouco conhecedores da própria historia do que faz de uma moeda ser ou não valiosa, ainda mais como moedas, similares ao próprio dólar, que repito, tem valor e créditos em si mesma.

Ainda citando os exemplos acima, não seriam estas também novas moedas, se pensarmos que os princípios que levam algo a ser considerado moeda é a possibilidade de mobilidade, além da confiança e o valor que algo tem em uma troca “universal”, ou seja, uma troca com qualquer produto ou serviço, não seria então desde os antigos cartões de créditos aos recentes aplicativos de pagamentos, moedas?

O problema na verdade que se vê em moedas eletrônicas é a não emissão por um governo, Banco Central; porem isto na verdade é um erro de interpretação, uma vez que, salvo uma ruptura no sistema de uma moeda digital, as moedas do tipo Bitcoin, são na verdade um reflexo de moedas ditas como reais (Dólar, Euro, Libra, Real Brasileiro, etc.), pois as moedas digitais, ainda que entendido por alguns como mineráveis digitalmente, elas são também um reflexo, ou melhor, uma consequência de um esforço no mundo real, como esforço entenda um trabalho ou serviço prestados, afinal para que se tenha um Bitcoin ou se minera, o que é um serviço, ou se converte uma moeda como o Euro para uma moeda digital, ou seja, o valor que um Euro tem como papel aqui é visto com um valor digital de euro.

Um outro argumento é a segurança da moeda, uma vez que você é invadido você perde tudo o que já tinha em sua carteira digita, e que diferente por exemplo de um banco você teria como reaver o prejuízo; isto já foi verdade, hoje os sistemas de moedas eletrônicas estão muito seguros, e já existem o que podemos chamar de bancos de Bitcoin, que fazem o mesmo que o banco da sua esquina. Para além disto Bancos Centrais pelo mundo já começam a incorporar Bitcoin em suas redes de comercio, oficializando a moeda dando ainda mais valor a ela. No dia 18 de dezembro de 2017, em Chicago por exemplo estrear o bitcoin, sendo essa a na maior bolsa de futuros do mundo, a CME dando ainda mais sinais de amadurecimento da moeda.



Como a moeda não é regulamentada por um governo toda e qualquer transação se dá entre comprador e vendedor, isto da a moeda mais valor, já que não se paga impostos sobre a transação, como acontece com as moedas convencionais.

Por fim como qualquer sistema, as falhas das moedas eletrônicas são estudadas diariamente, e corrigidas; isto não somente para ter uma moeda mais forte mais também para que essa segurança aumente ainda mais a confiança na mesma, e como você já deve ter aprendido ate aqui sendo ela uma moeda fiduciária, mais confiança significa mais valor;

Até a Próxima e Feliz 2018

Saiba Mais:
O que é Bitcoin
https://exame.abril.com.br/mercados/entenda-o-que-e-bitcoin/
Fim do padrão ouro.
http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,fim-do-padrao-ouro-para-o-dolar-completa-40-anos,80236e
Veja como o dólar se tornou a moeda de referência mundial.
http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,veja-como-o-dolar-se-tornou-a-moeda-de-referencia-mundial,400908
A história da moeda.
http://monografias.brasilescola.uol.com.br/historia/a-historia-moeda.htm

Colunista Saymon Pires - Revista Essence
Saymon Pires

Graduando em Sistema de Informação
Desenvolvedor de Sistemas
Telefone: +55 28 9.9882-7878
piresaymon@gmail.com